terça-feira - 13, dezembro, 2016 | por: Bom Retiro Na Moda

REGISTRO DE MARCA

14713787_1235376189817498_3864335127981385216_nUMA ESTRATÉGIA PARA VALORIZAÇÃO DA EMPRESA

Infelizmente, ainda são poucas as empresas no Brasil que se preocupam em registrar sua marca no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual – INPI.

Mas, o que é isso? Marca é todo sinal, visualmente perceptível (palavra, combinação de palavras, figuras ou, ainda, a combinação de palavras com figuras), que identifica determinados produtos e serviços, sendo certo que, quando registrada, garante ao seu titular, o direito de uso exclusivo no território nacional em seu ramo de atividade econômica.

É verdade que o registro da marca não é obrigatório, mas é extremamente recomendado para o bom andamento das atividades empresariais. Isto por que, o registro garante exclusividade do uso em um ramo de negócio. Ou seja, na eventualidade de se verificar que terceiros utilizam uma marca semelhante ou que vise mesmo a imitação, seu proprietário pode impedir a continuidade do uso por terceiros não autorizados.

Além disso, a possibilidade de valorização da empresa com o registro de sua marca é outra vantagem, considerando que a marca é um dos maiores ativos da empresa em detrimento, inclusive, de outros ativos tangíveis.

Infelizmente, a ideia que se tem é a de que o registro de marca é muito oneroso e, por isso, acessível apenas à grandes empresas. Mas é importante deixar claro que, em que pesem os benefícios da proteção à marca, o registro é providência ao alcance de todos, financeira e administrativamente.

Nesse sentido, vejamos: o processo de registro de marca é iniciado com a busca prévia a fim de verificar se a marca que se pretende registrar já não se encontra registrada por outra pessoa. A partir daí, basta realizar o pagamento da taxa de pedido de registro fixada pelo INPI e depositar o pedido através de formulários eletrônicos. Após a análise do pedido e, estando ele em conformidade com o estabelecido na legislação específica,será concedido o registro por 10 (dez) anos, podendo ser renovado por sucessivas e infinitas vezes, enquanto perdurar a exploração daquela atividade empresarial.

Portanto é fundamental que se tome tal cautela, ainda no início do negócio. Caso contrário, é possível que, no futuro, o empresário note que “sua” marca está registrada em nome de outra pessoa e, então, enfrente uma dificuldade que poderia ter sido evitada no início de suas atividades.

A equipe de Direito Empresarial do Gaiofato e Galvão Advogados Associados fica à disposição para esclarecer quaisquer dúvidas que eventualmente tenham surgido acerca deste assunto e, ainda, para realização e acompanhamento dos pedidos de registro de marca.

Alexandre Gaiofato de Souza -Advogado sócio do Gaiofato e Galvão Advogados Associados; graduado pelas Faculdades Integradas de Guarulhos ‐ FIG; Pós‐graduado em Processo Civil pela PUC/SP; MBA em Direito da Economia e da Empresa pela FGV/Ohio University; Membro da IV Turma do Tribunal de Ética da OAB/SP.
Kelly Cristina Souza Donato -Advogada associada do Gaiofato e Galvão Advogados Associados, inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil, Secção de São Paulo sob o n.º 310.863; Graduada pela Uniiversidade Presbiteriana Mackenzie; Pós-graduanda em Direito Empresarial pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

fonte: Gaiofato e Galvão Advogaods Associados

Compartilhe!

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>